terça-feira, 23 de setembro de 2008

Unidade de Zoologia da Unesc participa do projeto Primavera em Museus

A Unidade de Zoologia do Muesc (Museu Universitário do Extremo Sul Catarinense), da Unesc, vai participar amanhã do projeto Primavera em Museus, promovido pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional). O objetivo é realizar um diálogo intercultural, aproveitando o espaço dos museus para fazer uma reflexão sobre várias questões. O tema deste ano é o respeito às diferenças, o pluralismo de idéias. Durante todo o dia alunos de várias escolas vão conhecer a fauna regional e de diferentes continentes. Haverá também apresentações de danças das etnias espanhola e portuguesa, por alunos do Colégio de Aplicação, e os estudantes também vão confeccionar máscaras de animais dos países abordados. “Nossa proposta é utilizar a fauna como um instrumento integrador entre as diferentes culturas”, ressaltou a coordenadora da Unidade de Zoologia, professora Morgana Cirimbeli Gaidzinski.


Fonte: Assessoria de Imprensa Unesc (Nádia Couto)

"O Projeto Quati"

Artigo

A iniciativa de uma ação voltada para o Meio Ambiente em disseminar espécies frutíferas atribui-se seguir exemplos das plantas e dos animais, dentre as quais, espécies como o Quati, onde a manutenção da vida na Natureza é de extrema importância para manter o equilíbrio ecológico. Como o Quati possui um nicho ecológico diversificado, além de ser um animal carnívoro têm o hábito de comer frutos carnosos e, muitas vezes, dissemina as sementes por onde caminha.

Mas, as matas nesses últimos anos estão em eminência redução, principalmente no município de Içara, onde há possibilidade de dificultar, ainda mais, esse grandioso trabalho de manutenção da fauna pelo Quati. É ai que entra o Projeto Quati, não de reintroduzir o animal, mas de realizar o papel disseminador de plantas frutíferas na região do município de Içara. Com isso, futuramente, o equilíbrio ecológico possa ser re-estabelecido entre a fauna e flora.

A grande meta desse projeto será de disseminar seis mil mudas de espécies frutíferas, durante um período de dois anos. Para isso serão necessários trabalhos de Educação Ambiental, tendo a participação de pessoas dispostas a colaborarem com a Natureza no plantio das espécies frutíferas, tais como, araçás, gabirobas, jabuticabeiras e entre outras. E com apoio técnico de biólogos, agrônomos e instituições como EPAGRI proporcionarão a efetivação desta ação ambiental, no acompanhamento e desenvolvimento de mudas para o plantio.

O trabalho de Educação Ambiental viabilizará ainda mais a ação deste projeto, pois os colaboradores, os escoteiros, alunos de escolas e entre outras pessoas poderão contribuir através dos plantios, monitoramentos das plantas e sugestões de ações ambientais voltadas reintrodução de espécies nativas frutíferas.

Assim, o grande passo foi dado, e a Natureza agradece! Pois nos próximos anos, outras ações ambientais serão desenvolvidas, a consciência ambiental será aprimorada, e as gerações futuras lembrarão-se destes primeiros passos, e se tornarão mais conscientes da importância da manutenção da BIODIVERSIDADE.


Por Geverson Teixeira, mestre e biólogo do Projeto Quati

Sites noticiam o primeiro passo para a realização do Projeto Quati

Clipagem - O Site de Notícias da Rádio Difusora de Içara publicou matéria sobre a assinatura do primeiro patrocinador do “Projeto Quati”. A assinatura foi realizada na tarde desta segunda-feira (22), na sede das Empresas Rio Deserto. Agora, o Grupo de Escoteiros, em parceria com ambientalistas e biólogos irão dar início ao plantio das mudas de árvores frutíferas. Esta atividade irá contar com a parceria da Epagri-Urussanga, que vai apoiar o projeto com o fornecimento de mudas.

O Site
Sul Notícias também disponibilizou a matéria para os seus internautas no final da tarde de segunda-feira. Uma das novidades do projeto é que o internauta poderá acompanhar todas as atividades e crescimento das plantas do seu computador. Em breve, no novo Portal Palavra de Escoteiro, este link estará a disposição para matar a curiosidade sobre o assunto.

Tremor de terra assusta moradores de São Francisco do Sul/SC

Um tremor de terra movimentou equipes de resgate do Corpo de Bombeiro Voluntário de São Francisco do Sul (SC), na manhã desta segunda-feira (22). Alguns moradores da região litorânea perceberam um leve tremor de terra por volta das 9h."Estava na sala com meu marido, vendo televisão, quando senti o chão e o sofá tremerem. Foi um susto danado, porque nunca aconteceu isso por aqui. Só peguei as crianças e corri para a rua", disse a moradora Davinelva Machado de Oliveira.De acordo com Jorge Sand França, chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), não houve registros significativos de abalo na região.Segundo Cesar Augusto Vieira, bombeiro voluntário da região, uma equipe esteve no local, mas não registrou danos nos imóveis. A Defesa Civil do Estado foi acionada para avaliar o ocorrido.


Fonte: Site G1

Epagri fala de educação Ambiental

A Epagri, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Regional, promove nesta quarta-feira, a partir das 9 horas, no Parque Ecológico de Maracajá, o 1º Seminário Regional de Educação Ambiental para estudantes.

Segundo a extensionista e coordenadora do Projeto de Educação Ambiental da Epagri, Nelice Neide Nemirski Rosso, o objetivo do Seminário é reunir as escolas municipais e estaduais de nove municípios da região que durante este ano participaram do projeto de Educação Ambiental da Epagri, e mostrar o que elas fizeram neste período. Participam do encontro mais de 450 alunos da região.

O Seminário inicia com a recepção aos municípios participantes, visitação às exposições dos trabalhos de reciclagem e educação ambiental realizados pelas unidades de ensino participantes. Em seguida, ocorre a abertura oficial do evento. Às 10 horas, haverá a apresentação do Teatro de Reciclagem com a Recicleide, e das escolas participantes com peças de teatro, música, jogral e danças.

À tarde, as atividades continuam com brincadeiras monitoradas, como dobradura, pinta cara, yoga para crianças, pintura de painéis em grupo, brincadeiras de rodas, contos de histórias, interpretação de músicas de educação ambiental e visitação no Parque Ecológico, através das trilhas. O encerramento ocorre às 15h30min.

Gabiroba: mil e uma utilidades

Nome popular: Gabiroba e guavira
Nome científico: Campomanesia spp
Família botânica: Myrtaceae
Vegetação de ocorrência: Cerrado, cerradão e campo sujo
Características da planta: Arbusto com 60 a 70 centímetros de altura. Normalmente ocorre em moitas. Flores pequenas de coloração creme-esbranquiçada.

Você sabia?

- A gabiroba é uma espécie que tem boas perspectivas de produção comercial nos Cerrados. Uma tecnologia de extração química desenvolvida na região permite a obtenção rápida de sementes de excelente qualidade, eliminando-se a mucilagem.

- Além do consumo in natura, a gabiroba pode ser aproveitada na forma de sucos, sorvetes e doces, como geléias. Pode servir ainda de matéria-prima para licor.

- À semelhança da mangaba, as sementes da gabiroba perdem rapidamente o poder germinativo. Por isso, devem ser semeadas logo após a sua extração dos frutos. Pode ser cultivada em canteiros.

- Ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, o lobo-guará não é um voraz comedor de galinhas. Seus principais alimentos são frutos, em especial a gabiroba. As crianças podem entender mais sobre o funcionamento cadeia alimentar com esse jogo criado pelo Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

- A cuíca, marsupial que é muitas vezes confundido com o gambá, é um grande preservador da gabiroba. Capaz de percorrer 500 metros por noite na mata, o animal espalha, junto com as fezes, as sementes das frutas que ingeriu. Com uma vantagem: essas sementes passaram pelo trato intestinal do animal e tornaram-se aptas para a germinação. Saiba mais sobre o assunto na matéria
'Os jardineiros da floresta' da revista Galileu.

- A planta tem também efeitos terapêuticos. Suas casca e folhas, preparadas por infusão, são adstringentes e usadas contra diarréia mucosa e catarro da bexiga.

- Os frutos da gabiroba são arredondados, de coloração verde-amarelada. A polpa é amarelada, suculenta, envolvendo numerosas sementes. Colhida entre setembro e novembro, a partir de um a dois anos após o plantio, a produção é de 30 a 50 frutos por planta.

51 filhotes de papagaios apreendidos morrem em MS

A coordenação do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) de Campo Grande registrou a morte de 51 dos 377 filhotes de papagaios apreendidos nesta sexta-feira (19), em Ivinhema (MS).

Segundo o Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), uma recontagem dos animais foi realizada na manhã desta segunda-feira (22). "A medida foi tomada por haver números conflitantes", disse Vinícius Andrade Lopes, coordenador do Cras. Ainda segundo ele, os filhotes que sobreviveram devem seguir em tratamento por alguns meses. "Vamos continuar a dar alimentação duas vezes ao dia", disse Lopes.

A médica veterinária Mariana Mirault, funcionária do Cras, afirmou que os funcionários estão mobilizados para o tratamento dos filhotes. “Os animais são muito novos, sem plumagem, alguns recém-nascidos. Vários fatores podem ter causado a morte dos demais.”

Lopes disse que muitas pessoas estão entrando em contato para oferecer ajuda na alimentação dos papagaios. “Queremos agradecer às pessoas que nos telefonaram oferecendo ajuda no tratamento dos animais, mas nossa equipe está muito bem capacitada para a execução desse trabalho. Aqui os animais recebem os devidos cuidados, pois nosso objetivo é reabilitá-los para posterior reintrodução na natureza”, afirmou Lopes.


Fonte: Site G1

Semana do Trânsito: “Na cidade sem meu carro”

No coração de Criciúma, a Getúlio Vargas (foto) é uma das vias que concentra grande circulação de veículos. Porém, no dia de hoje (22), o movimento dos carros, o barulho das buzinas, o cinza do asfalto ganhou o colorido dos brinquedos, o verde de um gramado, e aproximadamente 300 crianças puderam circular tranqüilamente, sem se preocupar em olhar para os dois lados para atravessar a rua, já que parte dela foi fechada para o evento que integra a Semana do Trânsito, intitulado “Na cidade sem meu carro”. Promovido pela CriciúmaTrans, o evento, faz parte de um movimento internacional que tem como objetivo lançar uma reflexão sobre o modelo de mobilidade em nossa sociedade.

A via foi transformada em um parque de lazer, e alunos das escolas Silva Alvarenga, Filho do Mineiro, Ludovico Coccolo e Giácomo Zanette passaram uma tarde de diversão e integração. Segundo o presidente da CriciúmaTrans, André De Luca, a Semana do Trânsito deste ano tem como foco a criança, como futuros motoristas. “A campanha visa conscientizá-los sobre suas responsabilidades no trânsito. Este é o terceiro ano ‘na cidade sem meu carro’. Fechamos a Getúlio Vargas e trouxemos as crianças. Parece ousado, mas é fundamental para chamar a atenção de todos e fazer os motoristas refletirem sobre alternativas de transporte”, salientou.

Os pequenos passaram a tarde brincando na piscina de bolinhas, cama elástica, de futebol, pintaram os rostos e assistiram apresentações das Oficinas de Artes nas Comunidades, da Fundação Cultural de Criciúma. Os jogadores de futebol Emerson Ávila e Jardel também prestigiaram o evento e deram autógrafos. As atividades da Semana do Trânsito continuam amanhã (23) com Blitz Educativa, na rua Engenheiro Fiúza da Rocha, das 14 horas às 16 horas. Na quarta-feira (24) haverá palestra no Sest/Senat com o tema “Educando para o Trânsito” das 8 horas às 11 horas e 14 horas às 17 horas e na quinta-feira (25), outra Blitz Educativa, na Fiúza da Rocha, das 14 às 16 horas.


Fonte: Assessoria de Comunicação Prefeitura de Criciúma (Patrícia Nonnenmacher)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Fotojornalista entra na onda verde

Clipagem – Em seu blog o fotojornalista Maurício Vieira publicou matéria do Blog Onda Verde para ilustrar sua foto de um Quati tirada na Serra da Rio do Rastro. A matéria foi sobre os problemas digestivos que os animais podem ter se alimentados com comida humana. A oportunidade, o fotógrafo utilizou como “marcador de postagem” a seguinte frase: Quando passar pelo mirante da serra não alimente este animal silvestre. Mais um profissional consciente dos assuntos do meio ambiente. Parabéns por estar junto nesta onda.

Hoje é dia do fenômeno Equinócio

Equinócio é uma palavra que deriva do latim (aequinoctium), e significa “noite igual”, e refere-se ao momento do ano em que a duração do dia é igual à da noite sobre toda a Terra.

Astronomicamente isto se dá quando a Terra atinge uma posição em sua órbita onde o Sol parece estar situado exatamente na intersecção do círculo do Equador Celeste com o círculo da Eclíptica; ou seja, instante em que o Sol no seu movimento anual aparente pela Eclíptica, corta o Equador Celeste, apresentando declinação de 0º.

O Equinócio Vernal (21/03) assinala a entrada da primavera no hemisfério norte e do outono no hemisfério sul. É especialmente considerado pelos Astrólogos, pois este “Ponto Vernal”, marca o início do Signo de Áries, a entrada do Sol no Signo de Áries, que marca o início do Zodíaco. É quando o Sol, no seu movimento aparente, passa do hemisfério sul para o hemisfério norte.

Na figura abaixo, veja uma representação da insolação terrestre relativa a este Equinócio. Neste período a Terra recebe em ambos hemisférios a mesma intensidade de luz solar.




O Equinócio Outonal (23/09), marca a entrada do outono no hemisfério norte e da primavera no hemisfério sul, chamado também de “Ponto de Libra”; instante em que o Sol passa do hemisfério norte para o hemisfério sul.

Na figura abaixo, veja uma representação da insolação terrestre relativa a este Equinócio. Neste período a Terra recebe em ambos os hemisférios a mesma intensidade de luz solar.

Coluna da “Onda Verde” no Jornal Agora

Clipagem - Começou na última sexta-feira (19) a ser publicada a coluna da “Onda Verde” no Jornal Agora de Içara. Será um espaço especial destinado para falar sobre as notícias do meio ambiente. Tudo o que está sendo feito para mudar a atual situação da humanidade. Sem interferir nos trabalhos das ONGs que exercem suas atividades com louvor. Usando discernimento jornalístico para narrar os fatos, com conteúdo e comentários sobre diversos temas.

Projeto Quati: mudas serão monitoradas via GPS

A partir destes últimos dias de setembro e todo o mês de outubro deste ano os idealizadores do Projeto Quati começam uma nova etapa. Durante a Primavera os biólogos em parceria com agrônomos da Epagri/Urussanga estarão dando inicio ao plantio das mudas que serão utilizadas para resgatar as árvores frutíferas da região de Içara.

Uma novidade é que todas as quase 6 mil mudas que serão distribuídas em 600 hospedeiros (sítios, fazendas, entre outros) serão monitoradas via GPS. O cidadão poderá acompanhar de casa todo o desenvolvimento das mudas, assim como, os procedimentos que serão feitos durante os dois anos de projeto. Este material estará disponível em breve via internet pelo Portal “Palavra de Escoteiro”.



Clipagem - O Site Rádio Criciúma publicou (ilustração) nesta segunda-feira (22) matéria sobre a assinatura do primeiro parceiro do Projeto Quati. O encontro foi realizado no escritório das Empresas Rio Deserto e contou com a presença de representantes da diretoria do Grupo de Escoteiros e da empresa.

Brasil é modelo de recuperação de áreas degradadas

Algumas práticas adotadas na agropecuária brasileira foram consideradas um exemplo de estratégia de pecuária associada ao desenvolvimento sustentável e recomendadas pela Comissão de Desenvolvimento da Pecuária para a América Latina e o Caribe (Codegalac), da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), capítulo Cone Sul, durante a sua 10ª reunião.

No encontro, que terminou na sexta-feira (19) e foi realizado em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o principal alerta foi o crescimento de mais de 3,7% por ano da pecuária na região, relacionado à redução da área de florestas. De acordo com a Codegalac, 70% dos pastos hoje estão em processo de degradação. Esse processo aumenta a vulnerabilidade às mudanças climáticas e à produção de gases de efeito estufa.

Além disso, a Amazônia está entre os ecossistemas mais afetados com a expansão da agropecuária.No entanto, os países do Cone Sul, maiores exportadores de carne no mundo, devem ter mais oportunidades no mercado mundial, já que a expectativa é que o consumo de carne seja duplicado nos próximos 20 anos.

Como os principais importadores de carne exigem cada vez mais que a produção ocorra em áreas ambientalmente sustentáveis, os governos devem desenvolver urgentemente mecanismos e políticas para conter o avanço para área vulneráveis, o que aumenta os níveis de desmatamento, degradação do solo, perda de biodiversidade e de recursos hídricos. Os países devem contar com apoio da FAO para formular uma marco orientador para desenvolver políticas e programas de gestão agro-ambiental e inovação tecnológica, além da recuperação de áreas já degradadas pela agropecuária.

Vai ser criado um grupo de trabalho de centros de pesquisa da região, liderado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), para elaborar uma proposta de ação e avaliação técnica, econômica e ambiental das tecnologias disponíveis para recuperação das áreas degradadas e intensificação sustentável da produção pecuária.
Fonte: Ana Luiza Zenker/Agência Brasil

Absurdo: Rinha de galo é liberada pelo TJ de Mato Grosso

Na arena a briga entre dois galos expõe toda a violência das rinhas. As imagens foram feitas com uma câmera escondida. Enquanto assiste a briga, um apostador revela o destino dos galos derrotados. “Ele já está muito machucado, a esporada não tem jeito. O normal ele perde, ele cai morto. Isso é o normal. Mas, às vezes, ele morde algum outro que está batendo nele, dá uma pancada e ele cai mortinho”.

Em Cuiabá, rinha de galo tem endereço certo. Uma associação avícola, ironicamente conhecida entre os freqüentadores, como Sangue, promove brigas toda a semana. A polícia já tentou fechar o local, mas, por uma decisão judicial, a atividade continua. Em 11 anos foram três julgamentos, todos favoráveis à associação que mantém a rinha. No ultimo, os desembargadores entenderam que a briga de galos é uma manifestação cultural e torna Mato Grosso o único local do país em que a rinha é amparada pela Justiça.

No Brasil, há dez anos a lei que define os crimes ambientais proíbe a rinha de galos, por considerar uma forma de violência humana contra animais. Em outros estados, essa atividade é combatida pelas autoridades. Em Avinópolis, a 70 quilômetros de Goiânia, a policia ambiental apreendeu 24 aves, a maioria ferida e algumas mortas. Oito pessoas foram presas em flagrante. Em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, mais de 400 galos foram encontrados em uma chácara, muitos com marcas de combate.

A decisão da Justiça em Cuiabá causa revolta entre as entidades que defendem os animais. “Dá respaldo legal para uma prática cruel como esta, é você colocar o estado de Mato Grosso num ranking de vergonha nacional”, declara Monica Buzelli, vice-presidente da Associação Voz Animal. O caso aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal, enquanto isso o produtor de meio-ambiente de Mato Grosso se sente de mãos atadas. “Frustração e decepção, no caso com o nosso tribunal.

A decisão estaria apropriada para os tempos das cavernas. Agora, no atual estágio civilizatório, naturalmente que é inadmissível este tipo de prática”, afirma Domingos Sávio, promotor do meio ambiente. O Tribunal de Justiça de Mato Grosso não quis se manifestar sobre assunto.


Fonte: G1
(Foto meramente ilustrativa)

Caqui: da Ásia para o Brasil

O caquizeiro (Diospyros kak L.F.), pertencente à família das Ebenáceas, é originário da Ásia, onde é cultivado há séculos, principalmente na China e no Japão. Atualmente, seu cultivo é realizado em quase todas as regiões de clima temperado e subtropical do mundo.

Época de Plantio: Caso se utiliza mudas de raiz nua, plantar de julho a agosto. No caso de mudas de torrão, deve ser realizado de outubro a dezembro, ou seja, na estação chuvosa.

Solo: Desenvolve-se bem nos mais variados tipos de solos, desde que sejam dotados de boa capacidade de retenção de umidade. As condições mais propícias, no entanto, são encontradas nos solos areno-argilosos, profundos, bem drenados e com alto teor de matéria orgânica. Evitar baixadas muito úmida e propícias a geadas, devendo-se instalar o pomar em locais que facilitem a mecanização das operações.

Clima: Trata-se de planta tipicamente subtropical, com ampla capacidade de adaptação às nossas condições ambientais. Embora seja uma espécie de folhas caducas, como são as fruteiras de clima temperado, sua área de cultivo costuma se estender pelas mesmas regiões de cultivo das plantas cítricas, exigindo precipitações anuais entre 1.000 e 1.500 mm. A temperatura média mais apropriada para a maioria das variedades fica em torno de 15 a 17ºC, apesar do cultivo também ser possível em regiões com temperaturas médias mais elevadas. Tolera baixas temperaturas sendo essas importantes para a quebra de dormência das gemas e para ocorrência de brotação e florescimento abundante e uniforme.

Projeto Quati vai plantar árvores frutíferas em Içara

Árvores frutíferas que um dia existiram em abundância em Içara, serão plantadas novamente no município. O plantio de espécies como goiabeira, ameixeira, árvores de araçá, amora, pitanga, entre outros integram o projeto Quati, desenvolvido pelo Grupo Escoteiro Djalma Marques Escaravaco. A iniciativa conta com o apoio da Epagri e a partir desta segunda-feira (22) conta com o patrocínio das Empresas Rio Deserto.

O projeto Quati consiste em trazer de volta árvores frutíferas que não são mais encontradas na natureza na região. Serão plantadas cerca de seis mil mudas em todo o município, já a partir de outubro. Esse número, segundo o presidente do Grupo de Escoteiros, Jorge Rabassa, deve gerar pelo menos o dobro de árvores daqui a alguns anos, já que os pássaros se encarregam de espalhar novas sementes. "O projeto consiste também em criar um novo ecossistema de pássaros, e outros animais que irão se alimentar destas frutas", conta Rabassa.

Com isso, o projeto Quati vai promover também a recuperação da cadeia biológica natural. A idéia é envolver, além dos escoteiros, alunos de escolas do município. "Faz parte da filosofia dos escoteiros a preservação do meio ambiente e percebemos a necessidade de se fazer algo e envolver as crianças para que elas tenham consciência ambiental", explica o presidente do Grupo.

A ação será feita em dois anos e terá o acompanhamento de biólogos e da Epagri. A Rio Deserto é a primeira empresa a firmar parceria com o Projeto Quati. A empresa já apóia também o projeto Içara Mais Doce, que promove a plantação de eucaliptos no município. "Tínhamos uma idéia de um projeto semelhante, mas não encontramos parceiros. Com o surgimento do projeto unimos os interesses", afirma o assessor de diretoria Frederico Zanette. Todas as etapas poderão ser acompanhadas pelo portal palavradeescoteiro.


Colabroação: Jornalista Kellen Rodrigues (Assessoria Rio Deserto)

Empresa promove Dia da Árvore

Atuar de maneira sustentável, promovendo o desenvolvimento da comunidade onde está inserida é um dos objetivos da Carbonífera Siderópolis, que realizou, durante o dia 18 de setembro, uma solenidade em homenagem ao Dia da Árvore. O evento ocorreu na Escola Lucas Bez Batti e no Centro Educacional Sérgio Teixeira, ambas na localidade de Santana, município de Urussanga.

Na oportunidade, foram apresentadas oficinas de educação ambiental pelos colaboradores do Meio Ambiente da Satc. Através do teatro de fantoches, a equipe enfatizou a importância da preservação do meio ambiente, bem como os cuidados especiais com as árvores. O evento ainda contou com a distribuição e o plantio de mudas de árvores nativas no entorno das escolas, com a orientação dos técnicos da Carbonífera Siderópolis. Estiveram presentes cerca de 200 crianças, além dos funcionários e comunidade.

A gerência da empresa ressalta que eventos desse porte são importantes, pois permitem sensibilizar a comunidade sobre a questão ambiental, multiplicando os agentes transformadores, além de mostrar os projetos que a Carbonífera vem realizando.

domingo, 21 de setembro de 2008

Cientistas britânicos relançam geladeira ecológica de Einstein

Uma equipe de cientistas britânicos reconstruiu um protótipo de uma geladeira ecológica inventada pelo físico Albert Einstein em 1930, que tem a vantagem de não se alimentar de eletricidade. Os refrigeradores modernos são prejudiciais para o meio ambiente, pois funcionam mediante compressão e expansão dos gases fréons, que contribuem para intensificar o efeito estufa.

Com o aumento do nível de vida em muitos países em desenvolvimento, cada vez mais refrigeradores são vendidos, o que amplia a chegada à atmosfera desses gases, mais prejudiciais que o dióxido de carbono. Na tentativa de amenizar essa situação, Malcolm McCulloch, um engenheiro elétrico de Oxford que se dedica às tecnologias ecologicamente corretas, coordena um projeto de três anos para o desenvolvimento de mecanismos que podem ser utilizados sem eletricidade, informou hoje o jornal "The Observer".

Pressão dos gases

A equipe que dirige fabricou o protótipo de um refrigerador patenteado em 1930 pelo físico atômico húngaro Leo Szilard. O projeto, que só utilizava gases à pressão para congelar os alimentos, foi aplicado parcialmente nas primeiras geladeiras domésticas, mas a tecnologia foi abandonada quando outros compressores mais eficazes ganharam popularidade no meado do século passado.

O modelo inventado por Einstein e Szilard não requer os gases fréons: usa apenas amoníaco, butano e água, e aproveita o fato de os líquidos ferverem a temperaturas inferiores quando a pressão do ar é menor. "No pico do monte Everest, a água ferve a uma temperatura muito inferior à do nível do mar", explica McCulloch.

O aparelho contém um vaporizador, um recipiente que contém butano. "Caso se introduza vapor nele, a temperatura em que a água ferve diminui, e, com isso, rouba energia do entorno, o que produz o efeito de refrigeração", acrescenta o cientista.


Fonte: Site G1

Você sabe a diferença da framboesa para a amora?

A framboesa por sua vez, é bastante confundida com a amora. A framboesa é um fruto vermelho vivo que também pode ficar quase preta quando muito madura. A framboesa é um fruto de centro oco enquanto a amora é um fruto com polpa homogênea. A framboesa para ser cultivada necessita de cuidados específicos como na temperatura que não deve ser maior que 7ºC.

A framboesa vem da árvore chamada touceiras que precisam ser desmanchadas e levadas para um outro local definitivo para que haja o cultivo do fruto. É preciso o uso de adubos químicos para reparar a acidez das touceiras. As framboesas possuem proteínas, vitaminas A, B1, B5, C, cálcio, fósforo e ferro. A framboesa é usada no tratamento de inflamações como inflamação nas gengivas, garganta, prisão de ventre, reumatismo, doenças do fígado, doenças dos rins, hemorróidas e doenças com febre.

Tanto a amora quanto a framboesa são usadas na preparação de doces, geléias, compotas, iogurtes entre outros. Podemos perceber então, que existem diferenças visíveis entre amoras e framboesas tanto nas características como no uso medicinal. Mas, podem ser usadas para o mesmo fim em produtos alimentícios.

Dia 21 de setembro: Dia da Árvore!

Em 21 de setembro é comemorado, no Brasil, o dia da árvore. A data foi escolhida, por ser próxima ao início da primavera – a estação em que as flores aparecem em maior quantidade.

Essenciais para a vida, as árvores não só embelezam o planeta, como mantêm a umidade do ar. Além disso, ajudam a diminuir a poluição, porque dissolvem o gás carbônico, durante a queima de combustível. Produzem oxigênio, mudam a direção dos ventos, firmam o solo das encostas e também as margens dos rios.

Através da madeira dos seus troncos ainda é possível colher matéria-prima para a fabricação de medicamentos. No Brasil, a árvore mais antiga é um jequitibá de 3.020 anos, localizado em Santa Rita do Passa Quatro, em São Paulo. Sua copa possui 39 metros de diâmetro, onde vivem tucanos e macacos, entre outros animais.

Rio Deserto e Projeto Quati firmam parceria

As Empresas Rio Deserto e o Grupo Escoteiro Djalma Marques Escaravaco serão parceiros no projeto que vai resgatar árvores frutíferas em Içara, o Projeto Quati. A assinatura do patrocínio será nesta segunda-feira, dia 22, às 16 horas no escritório central da Rio Deserto. A empresa é a primeira a apoiar o Projeto Quati, que contarátambém com apoio de outras empresas.

O projeto Quati consiste em trazer de volta árvores frutíferas que não são mais encontradas na natureza na região. Serão plantadas milhares de mudas que no futuro darão goiaba, araçá, amora, mamão, ameixa, pitanga, entre outras frutas. A ação será feita em dois anos e terá o acompanhamento de biólogos e da Epagri. A intenção é colocar de volta ao meio ambiente cerca de seis mil novas árvores.

"O projeto consiste em, além de resgatar árvores frutíferas que são difíceis encontrar innatura, também criar um novo ecossistema de pássaros, e outros animais que irão se alimentar destas frutas", explica Jorge Félix, presidente do Grupo de Escoteiros de Içara. Todas as etapas poderão ser acompanhadas pelo portal palavradeescoteiro. As mudas começarão a ser plantadas já no mês de outubro.

sábado, 20 de setembro de 2008

Problema técnico vai deixar 'máquina do Big Bang' parada durante dois meses

O Grande Colisor de Hádrons (LHC, em inglês), que começou a funcionar no último dia 10 no que deve ser o maior experimento científico do século, ficará fora de serviço por pelo menos dois meses devido a um vazamento de hélio, informou hoje a Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (Cern).

Em uma nota, a entidade destacou que na última sexta-feira houve um vazamento de hélio em um setor do túnel do LHC, devido, segundo as investigações preliminares, a uma ligação elétrica defeituosa entre dois ímãs, o que causou a falha mecânica. "Em nenhum momento houve risco para as pessoas", segundo a Cern, que destacou que teve início uma investigação completa sobre o incidente.

Os consertos implicarão um atraso de "no mínimo dois meses" nas operações do LHC, segundo o comunicado. No aparelho, um túnel circular de 27 quilômetros entre França e Suíça, os cientistas da Cern pretendem recriar condições análogas ao Big Bang, a explosão que deu origem ao Universo, mediante a colisão frontal de partículas à velocidade da luz.

Um dos grandes objetivos é descobrir o hipotético Bóson de Higgs, chamado por alguns de "a partícula de Deus", cuja existência é considerada indispensável para explicar por que as partículas elementares têm massa e por que as massas são tão diferentes entre si.

O projeto, que demorou 20 anos e custou 4 bilhões de euros para se concretizar, tornou-se operacional neste mês, quando os físicos conseguiram fazer circular com sucesso as primeiras partículas pelo túnel.


Fonte: Site G1

Primavera: época de reflorestamento da flora e fauna

Primavera é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e fauna terrestres. Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal", e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal" tem início, no Hemisfério Norte, a 20 de Março e termina a 21 de Junho. A "Primavera austral" tem início, no Hemisfério Sul, a23 de setembro e termina a 21 de dezembro.

Do ponto de vista da Astronomia, a primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio de Setembro e termina no solstício de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinócio de Março e termina no solstício de Junho. Como se constata, no dia do equinócio o dia e a noite têm a mesma duração. A cada dia que passa, o dia aumenta e a noite vai encurtando um pouco, aumentando, assim, a insolação do hemisfério respectivo.

Estas divisões das estações por equinócios e solstícios poderão ser fonte de equívocos, mas deve-se levar em conta a influência dos oceanos na temperatura média das estações. Na Primavera do hemisfério sul, os oceanos meridionais ainda estão frios e vão aos poucos aquecendo, fazendo a Primavera ter temperaturas amenas ao longo da estação.

Projeto Quati: a partir dos próximos três meses da Estação da Primavera, o grupo de biólogos, escoteiros e ambientalistas estarão dando inicio a plantação das árvores frutíferas que serão plantadas no próximo ano em várias localidades do município de Içara. Aguardem todo o processo deste plantio e monitoramento das mudas no blog da “Onda Verde”.

Temperaturas baixas e chuvas marcam o começo da Primavera no Sul

Neste domingo (21) na região de Içara, o clima não será parecido com aquele que se espera para os dias que antecedem a Primavera, que começa neste dia 23. Com nebulosidade e pancadas de chuva, as temperaturas irão variar de 14 a 21 graus neste domingo. Já na segunda-feira (22) a probabilidade de chuva é de 30% com a temperatura mínima de 12 graus. E o clima fica instável até quarta-feira, onde a previsão do Centro de Climatologia e Estudos Climáticos, do Ministério da Ciência e Tecnologia, aponta a maior temperatura para os próximos quatro dias, chegando até 23 graus.


Região Sul

20/09/2008: No PR: muitas nuvens com tempestades forte em algumas áreas. Nas demais áreas da Região: nublado com pancadas de chuva forte a qualquer hora do dia. As temperaturas estarão amenas na Região. Temperatura máxima: 20C no norte do PR.

21/09/2008: No litoral do RS e sul de SC: tempo instável com chuva a qualquer hora. Nas demais áreas do litoral catarinense e litoral do PR: muitas nuvens e chuva. No nordeste do RS, leste de SC e centro-leste do PR: pancadas de chuva. Nas demais localidade da Região: sol entre muitas nuvens. As temperaturas estarão em declínio. Temperatura máxima: 20C no norte do PR. Temperatura mínima: 4C em áreas de Serra no RS.

22/09/2008: No leste do RS: sol entre nuvens com chuva. Nas demais áreas do RS: sol entre muitas nuvens. Em SC e do PR: sol entre poucas nuvens. As temperaturas estarão baixas na Região. Tendência 23/09/2008: No litoral de SC e do PR: tempo instável com chuva a qualquer hora. Nas demais áreas: sol entre poucas nuvens. As temperaturas estarão baixas na Região.

Passeio ciclístico marca início da Primavera

Colégio São Bento, em parceria com a CriciúmaTrans e apoio da Polícia Militar, realiza neste sábado um passeio ciclístico pelo Centro de Criciúma. O ato marca a chegada da Primavera. A saída está prevista para às 8 horas em frente ao colégio. São percorridas as ruas Engenheiro Fiúza da Rocha, Lauro Muller, Barão do Rio Branco, Santo Antônio até a Henrique Lage e Anita Garibaldi.

Fonte: Site Engeplus

Hortelã: ação tônica no aparelho digestivo

Todas as hortelãs encerram em suas folhas vitaminas A,B e C. minerais (cálcio, fósforo, ferro e potássio);exercem ação tônica e estimulante sobre o aparelho digestivo, além de propriedades antisépticas e ligeiramente anestésicas .Para picadas de insetos em crianças, colocar rapidamente muitas folhas amassadas em cima. Bom para dores de cabeça e juntas doloridas. Para dores abdominais, tomar um copo de leite aquecido com algumas folhas de hortelã. Ligeiramente vermífugo (lombriga e oxíuros), calmante, é também um bom chá para gripes e resfriados. Combate cólicas e gases aumenta produção e circulação da bílis. Favorece expulsão dos catarros e impede a formação de mais muco. Infusão indicada para gripes e resfriados.

Minc ameaça divulgar nomes de governantes que afrouxaram fiscalização ambiental

O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) criticou nesta sexta-feira (19) governadores e prefeitos que estariam "afrouxando" a fiscalização contra crimes ambientais na Amazônia para evitar desgaste no período eleitoral. "Tenho ido toda semana à Amazônia e vejo muitas queimadas. Na véspera das eleições, muitos governadores e prefeitos afrouxaram completamente a fiscalização, ninguém quer multar, interditar.

As queimadas estão recrudescendo", afirmou o ministro, no Rio de Janeiro.Minc não citou nomes, mas ameaçou divulgar quem são os suspeitos de não colaborar com a fiscalização ambiental. "Pedimos uma série de medidas e estamos advertindo que vamos divulgar aqueles que não estiverem colaborando com a fiscalização federal". O ministro disse que o desafio para os prefeitos eleitos este ano é coibir o crime ambiental, criar unidades de conservação e levar os criminosos ambientais para a prisão.

"E de preferência que os criminosos passem metade do tempo plantando árvores, em vez de tirar férias forçadas à nossa custa", disse.A declaração foi dada no Jardim Botânico durante o lançamento do programa do governo estadual Contadores de Árvores, que prevê o plantio de 20 milhões de mudas de espécies da Mata Atlântica.Na entrevista coletiva, Minc também criticou a declaração do ministro Edison Lobão (Minas e Energia) em defesa da criação de 50 usinas nucleares nas próximas cinco décadas."O Brasil é a terra do sol, dos ventos e da biomassa", disse Minc, lembrando outras fontes de energia a serem exploradas. "O governo decidiu, contra a minha posição, criar quatro usinas nucleares. As demais são por conta do nosso ministro", afirmou.



Fonte: André Zahar/Folha Online

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Plantas fazem ‘transgênico natural’, mostra estudo alemão

Quem vê a transferência de DNA de uma espécie para outra – criando os famigerados transgênicos – como um fenômeno totalmente artificial precisa rever logo seus conceitos. Um pesquisador alemão está mostrando que, em plantas, a passagem de material genético de um indivíduo para outro e de uma espécie para outra pode acontecer de forma impressionantemente natural. O fenômeno parece estar presente em enxertos – uma técnica agrícola com milhares de anos de idade – e, provavelmente, no contato natural entre as raízes ou caules de vegetais.

“É claramente algo que borra a fronteira entre a engenharia genética e a natureza”, afirma o responsável pela pesquisa, Ralph Bock, do Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal, na Alemanha. O trabalho de Bock foi apresentado durante o 54. Congresso Brasileiro de Genética, que termina nesta sexta (19) na capital baiana.

A transferência de genes de uma espécie para outra é comum entre bactérias, certamente os microrganismos mais promíscuos do planeta quando se trata de trocas de DNA. Acreditava-se que esse processo era bem mais raro entre os eucariontes, grupo dos seres vivos com organização celular complexa que inclui as plantas e os animais. No entanto, ao menos no caso dos vegetais, Bock está mostrando que as células eucarióticas também podem “vazar genes”, como ele diz.

O pesquisador alemão e seus colegas desenvolveram uma série de técnicas engenhosas para rastrear a viagem de genes dentro das células, e de uma célula para outra, em plantas cultivadas em laboratório. No primeiro caso, eles comprovaram que o DNA presente nos cloroplastos, as estruturas das células vegetais responsáveis pela fotossíntese, pode “migrar” numa freqüência relativamente alta para o núcleo da célula – uma transferência a cada 5 milhões de células nas quais os pesquisadores introduziram um novo gene nos cloroplastos via experimentos.

E a coisa fica ainda mais estranha. No caso de enxertos, técnica que envolve o “transplante” do caule de uma planta para o tronco da outra, por exemplo, as partes envolvidas na mistura parecem também trocar genes, a julgar por outro conjunto de experimentos conduzido por Bock. “Ainda é muito cedo para dizer se esse fenômeno teria um papel na evolução das plantas”, diz o alemão.

Fonte: Site G1

Sesc faz mostra de educação ambiental no Della Giustina

Mostra de Educação Ambiental da Sala de Ciências do Sesc estará montada no Shopping Della Giustina a partir de segunda-feira (22 de setembro). O espaço terá maquetes, acervo de rochas, borboletário, jogos e muita informação sobre os cuidados com o meio ambiente. Os visitantes poderão ainda participar de oficinas, entre elas a de dobraduras de animais brasileiros ameaçados de extinção e a de confecção de brinquedos a partir de material reciclável. A Mostra fica no Della até sexta-feira, dia 26.

Lavar os alimentos não é suficiente para tirar os agrotóxicos

Nem sempre lavar, deixar de molho e esfregar frutas e verduras é o suficiente para retirar o excesso de agrotóxicos. Médicos afirmam que nada disso funciona e que as melhores opções ainda são os produtos orgânicos que saem da horta sem pesticidas. Para este mercado existe um público mais exigente e consciente do perigo que ronda as prateleiras com produtos convencionais. Testes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) identificaram resíduos de até quatro pesticidas diferentes em várias amostras de frutas, verduras e legumes.

“Os recordistas de resíduos que nós encontramos foram alface, tomate e morango”, aponta a chefe da Anvisa no Paraná, Elaine Castro Neves. Segundo ela, a maioria dos venenos são utilizados, muitas vezes, na lavoura e absorvidos pela planta através da raiz. “Todas essas histórias e orientações que a gente tem visto por aí que dizem que lavar, passar buchinha [esponja], deixar na geladeira e tirar a casca vai eliminar o veneno e aí nós vamos poder consumir com toda a certeza não tem nada comprovando que isso seja eficaz”, alerta.

As aparências enganam - Uma dica é tomar cuidado na hora da escolha. O consumidor exige e o mercado tenta oferecer o produto ideal: fruta lisinha e o legume perfeito. Só que o mais bonito nem sempre é o mais saudável. “Se tiver um bichinho, um furinho que uma minhoca comeu na alface, isso significa que ali não tinha veneno”, diz a chefe da Anvisa no Paraná, Elaine Castro Neves. Esse é um segredo que a agrônoma Cássia Yoshi já descobriu. “Não precisa se preocupar com o bichinho. Só tirar e pode consumir o produto normalmente”, garante.

A melhor receita mesmo é dar preferência aos produtos da época e sempre variar o cardápio. Mas para se livrar de vez dos agrotóxicos só há dois caminhos: manter a boa e velha horta no fundo de casa ou encher a cesta com produtos orgânicos. “O preço dela é maior, mas compensa, porque a gente está cuidando da saúde. A gente tem que pensar na qualidade de vida”, diz uma consumidora.


Fonte: Site G1

Espinheira-Santa: um santo remédio

Conhecida pelos índios há muitos anos, a espinheira-santa (Maytenus ilicifolia) ganhou esse nome justamente pela aparência de suas folhas, que apresentam espinhos nas margens e por ser um "santo remédio" para tratar vários problemas. Na medicina popular, a espinheira-santa é famosa no combate à úlcera e outros problemas estomacais. Ao que parece, a fama é merecida: na Universidade Estadual de Campinas (SP), farmacologistas analisaram a planta em ratos com úlcera e, segundo os pesquisadores, "nos que tomaram o seu extrato, o tamanho da lesão diminuiu muito rapidamente e, em comparação com os remédios convencionais, espinheira-santa provoca menos efeitos nocivos". A pesquisa prossegue, para determinar qual é o componente exato do vegetal responsável pelo efeito medicinal.

A espinheira-santa, além de indicada contra vários males do aparelho digestivo, era muito usada no passado pelos índios brasileiros com outra finalidade: eles usavam suas folhas no combate a tumores (esse uso pode ter gerado um dos seus nomes populares - erva-cancerosa). A planta, pertencente à Família das Celastráceas, é originária do Brasil e pode ser encontrada na região que vai de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, sendo mais abundante nas matas do sul do Paraná. Também conhecida popularmente como espinho-de-deus, salva-vidas, sombra-de-touro, erva-cancerosa e espinheira-divina, a espinheira-santa é uma planta perene, de porte arbóreo-arbustivo, que atinge cerca de 2 a 3 metros de altura. Suas folhas são inteiriças e apresentam espinhos nas bordas, enquanto que as flores, axilares, apresentam coloração amarelo-esverdeada. A planta produz frutos pequenos e vermelhos. A propagação da planta se dá por meio de sementes e o cultivo dá bons resultados em regiões de clima ameno.


Usos: As folhas, frescas ou secas, são utilizadas no preparo de infusões para uso interno e externo. O efeito cicatrizante também pode ser observado no tratamento de problemas da pele. O chá de espinheira-santa é contra-indicado para gestantes e lactantes, pois reduz a produção de leite. O uso medicinal mais comum da Espinheira Santa é para o tratamento de gastrites e úlceras gástricas e duodenais. A indicação popular do chá feito das folhas da Espinheira Santa foi comprovada cientificamente por vários pesquisadores (Carlini & Bráz, 1988; Faleiros et al., 1992; Ferreira et al., 1996; e Carvalho et al., 1997).

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

“Marketing Verde”: A coqueluche mundial

Artigo
Tudo o que é relacionado ao Meio Ambiente hoje em dia está em alta. Porém, ainda é considerado um nicho de mercado quando falamos em produtos e ações nesta área. Por outro lado, algumas empresas bem intencionadas e ligadas no novo filão, já estão criando ações, produtos e projetos dentro desta área que a cada dia só tende a crescer ainda mais. Não apenas com produtos com embalagens biodegradáveis, ou então, com menos agrotóxicos, mas também aderindo a projetos de recuperação de áreas degradadas e unindo forças com a sociedade para mudar uma situação que ainda está delicada. Hoje, na região de Criciúma, podemos dar exemplos deste “Marketing Verde”. Supermercado recolhendo azeite de cozinha, empresa recendo ISO 14.0001 (Meio Ambiente), outras vendendo mudas de plantas frutíferas, e, além disso, ensinando como plantá-las, projetos de recuperação de árvores frutíferas, como o Projeto Quati (Grupo de Escoteiros de Içara), além de outros. Cabem as outras empresas, organizações e entidades que ainda não se engajaram nesta mais nova forma de vender sua imagem entrarem nesta onda, e procurarem a cada dia estar ao lado da sociedade para buscar a solução dos problemas ambientais de nossa geração.

Polícia apreende 472 quilos de carvão ilegal em MG

Uma equipe da Polícia Militar de Meio Ambiente de Minas Gerais apreendeu uma carga de 472 quilos de carvão vegetal irregular na terça-feira (16), em Governador Valadares (MG). Segundo informações da polícia, o motorista transportava a carga, mas afirmou que não sabia a origem do produto. O dono do carvão, que estava no caminhão, não tinha a documentação do carregamento. Os policiais emitiram uma multa no valor de R$ 808 para o proprietário do carvão. Ele ficou como depositário fiel da carga até que o destino do material seja definido.


Fonte: G1

Cajueiro: planta tropical brasileira

O cajueiro (Anacardium occidentale L.) é uma planta tropical, originária do Brasil, dispersa em quase todo o seu território. A Região Nordeste, com uma área plantada superior a 650 mil hectares, responde por mais de 95% da produção nacional, sendo os estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia os principais produtores.

No Brasil, a produção de amêndoa de castanha de caju destina-se, tradicionalmente, ao mercado externo, gerando, em média, divisas da ordem de 150 milhões de dólares anuais. Os Estados Unidos e o Canadá são os principais mercados consumidores da amêndoa brasileira, sendo responsáveis por cerca de 85% das importações. O agronegócio do caju no mundo movimenta cerca de 2,4 bilhões de dólares por ano.

A importância social do caju no Brasil traduz-se pelo número de empregos diretos que gera, dos quais 35 mil no campo e 15 mil na indústria, além de 250 mil empregos indiretos nos dois segmentos. Para o Semi-Árido nordestino, a importância é ainda maior, pois os empregos do campo são gerados na entressafra das culturas tradicionais como milho, feijão e algodão, reduzindo, assim, o êxodo rural.

Além do aspecto econômico, os produtos derivados do caju apresentam elevada importância alimentar. O caju contém cerca de 156 mg a 387 mg de vitamina C, 14,70 mg de cálcio, 32,55 mg de fósforo e 0,575 mg de ferro por 100 ml de suco.

Filhote de baleia é encontrado morto em praia de Florianópolis (SC)

Um filhote de baleia Franca de seis metros foi encontrado morto na manhã de quarta-feira (17), na praia do Campeche, no sul de Florianópolis (SC). As informações são do "Diário Catarinense". A Polícia Militar Ambiental acredita que o animal está morto no mar há pelo menos cinco dias. O biólogo da Área de Preservação Ambiental da Baleia Franca, Ricardo Brochado Alves Silva, disse ao "Diário Catarinense" que o animal pode ter ficado preso em uma rede de pesca. Outra hipótese, apontada pela veterinária Alessandra Arriada, é que a mãe do filhote tenha se aproximado muito da costa e ele tenha se perdido. A necropsia na baleia será feita pela Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.


Fonte: UOL Notícias

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

“Operação Dríade” prende 13 pessoas envolvidas em crimes ambientais em SC

As investigações que resultaram na Operação Dríade, em que pelo menos 13 pessoas foram presas temporariamente por suposta participação numa organização envolvida em crimes ambientais em Biguaçu, na Grande Florianópolis, nesta quarta-feira, começaram em outubro de 2007.

De acordo com o delegado Rafael Medeiros Rataichesck, da Polícia Federal (PF), os crimes investigados a pedido do Ministério Público Federal (MPF) seriam praticados por empresários, com o apoio de funcionários públicos estaduais e municipais — que teriam se omitido na fiscalização de irregularidades no aterro sanitário no munípio e emitido laudos falsos que permitiram a expedição de licenças irregulares para empreendimentos em Biguaçu.

Desde o início das investigações, a PF recebeu outras denúncias de crimes cometidos pelos suspeitos. O esquema funcionava a partir da corrupção de servidores, alguns deles com atribuições para licenciar e fiscalizar atividades no município.

Segundo o policial, as prisões foram realizadas devido aos indícios comprovados dos crimes ambientais e da expedição de laudos e licenças ambientais falsos por servidores públicos, além da omissão do poder público municipal quando às irregularidades. Equipes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) auxiliaram nas investigações.


Fonte:
ClicRBS-SC

Ibama e governo do estado de Santa Catarina promovem seminário sobre agrotóxicos

Nos próximos dias 24 e 25 de setembro, no Centro de Eventos Germano Rigo, Rod. Luiz Rosso, 2500, em Criciúma/SC ocorre o 1º Seminário Estadual de Combate ao Comércio Ilegal de Agrotóxicos. A finalidade do evento é alertar sobre a venda de defensivos agrícolas sem a documentação exigida em lei e seus reflexos para a saúde das pessoas e do meio ambiente.

Segundo registros, houve neste ano duas mortes por intoxicação em Santa Catarina, uma em Criciúma, e outra em Chapecó. Sobre o tráfico, Maria Janete Joanol, técnica ambiental do Ibama, explica que a maior parte dos produtos vem do Uruguai e visam às lavouras de fumo e arroz do sul do estado, que estão na rota do tráfico em função do aspecto geográfico, em Timbé do Sul, por exemplo, uma pessoa foi presa pela Polícia Federal com 11 galões de defensivos agrícolas contrabandeados.

Entre os presentes, estarão o superintendente do Ibama/SC, a diretora da Diretoria de Qualidade Ambiental (Diqua)/Ibama, representantes da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura de Santa Catarina, da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Ministério Público.

Biólogo de Criciúma estuda sobre a vida do único mamífero fossorial de SC

Conhecido popularmente por tuco-tuco, a espécie Ctenomys minutus habita as regiões de dunas da planície costeiras do sudoeste dos estados brasileiros de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O mestrando de biologia, Alexandre Miranda, de Criciúma, está realizando um estudo sobre estes animais e conta algumas curiosidades da alimentação e forma de viver dos mesmos. Conforme o que ficou observado o pequeno animal vive solitário, construindo túneis dos quais raramente saem, e alimentando-se basicamente de raízes e talos subterrâneos, ou de porções de vegetais vizinhas às aberturas das tocas, principalmente gramíneas.

O biólogo observou em sua pesquisa para sua monografia é que a “populações dessa espécie possuem uma impressionante variação cariotípica, apresentando 11 diferentes formas, essa variação cromossômica é importante para o processo de evolução dessa espécie, sendo considerado o principal fator associado com a especiação no gênero Ctenomys”.

Um dos fatores que Miranda apontou como sendo uma das problemáticas para o ecossistema dos tuco-tucos foi o crescimento da ocupação na zona costeira, no tamanho e no número das fazendas, estradas, balneários estão afetando adversamente o ambiente. “A distribuição desta espécie, que está sendo restringida por atividades agrícolas. O conhecimento da biologia populacional poderá ajudar compreender, resolver problemas, bem como ajudar na conservação para populações em risco”.

O que é Fossorial: animal que vive embaixo da terra. Em SC é apenas o tuco-tuco, já no Rio Grande do Sul são mais quatro (04) espécies da mesma família do tuco-tuco.

Projeto Piava Sul é mostrado em encontro do Comitê da Bacia do Rio Urussanga

O projeto Piava Sul vai ser apresentado durante o 1º Encontro do Comitê da Bacia do Rio Urussanga, na tarde de quinta-feira (18/9), na Sociedade Recreativa Urussanga. O evento inicia às 13h30, com uma programação voltada às informações acerca das atribuições do comitê. Coordenado pela professora Rose Maria Adami, do curso de Geografia da Unesc, e sediado na Universidade, o Piava Sul tem como objetivo capacitar os membros dos comitês de bacias hidrográficas e apoiá-los em suas ações de gestão. Na oportunidade, também serão distribuídos folderes informativos sobre a o comitê, produzido por Rose, juntamente com os professores Robson dos Santos, Yamine de Moura da Cunha e Edna Lindaura Luiz.

A Unesc também vai apresentar no encontro uma mostra de pôsteres de trabalhos realizados pelos cursos de Geografia, Ciências Biológicas e Engenharia Ambiental na bacia do rio Urussanga. Uma instalação artística do professor Edi Balod vai apresentar elementos culturais que caracterizam a região.

O Piava Sul foi elaborado em parceria com a FURB e o Comitê Hidrográfico da Bacia do Itajaí, com recursos do Programa Petrobras Ambiental, sendo uma extensão do projeto Piava - desenvolvido junto aos municípios da Bacia do rio Itajaí, com o objetivo de consolidar e implementar políticas de proteção da água.


Fonte: Assessoria de Imprensa Unesc (Zeca Virtuoso)

Você sabe o que é Desenvolvimento Sustentável?

Entre os dias 08 e 15 de setembro o Blog “Onda Verde” realizou uma enquête com os nossos internautas. A pergunta foi: “Você sabe o que é Desenvolvimento Sustentável?” Na oportunidade 80% dos que participaram da pequena pesquisa responderam que sim, conhecem o que isso significa. Mas, será que conhecem mesmo? Em consulta a vários sites sobre o tema, nós encontramos uma explicação simples para o assunto, confira a seguir:

A preocupação da comunidade internacional com os limites do desenvolvimento do planeta datam da década de 60, quando começaram as discussões sobre os riscos da degradação do meio ambiente. Tais discussões ganharam tanta intensidade que levaram a ONU a promover uma Conferência sobre o Meio Ambiente em Estocolmo (1972). No mesmo ano, Dennis Meadows e os pesquisadores do “Clube de Roma” publicaram o estudo Limites do Crescimento. O estudo concluía que, mantidos os níveis de industrialização, poluição, produção de alimentos e exploração dos recursos naturais, o limite de desenvolvimento do planeta seria atingido, no máximo, em 100 anos, provocando uma repentina diminuição da população mundial e da capacidade industrial. O estudo recorria ao neo-malthusianismo como solução para a iminente “catástrofe”. As reações vieram de intelectuais do Primeiro Mundo (para quem a tese de Meadows representaria o fim do crescimento da sociedade industrial) e dos países subdesenvolvidos (já que os países desenvolvidos queriam “fechar a porta” do desenvolvimento aos países pobres, com uma justificativa ecológica).

Em 1973, o canadense Maurice Strong lançou o conceito de eco desenvolvimento, cujos princípios foram formulados por Ignacy Sachs. Os caminhos do desenvolvimento seriam seis: satisfação das necessidades básicas; solidariedade com as gerações futuras; participação da população envolvida; preservação dos recursos naturais e do meio ambiente; elaboração de um sistema social que garanta emprego, segurança social e respeito a outras culturas; programas de educação. Esta teoria referia-se principalmente às regiões subdesenvolvidas.

A ONU voltou a participar na elaboração de um outro relatório, o Dag-Hammarskjöld, preparado pela fundação de mesmo nome, em 1975, com colaboração de políticos e pesquisadores de 48 países. O Relatório Dag-Hammarskjöld completa o de Cocoyok, afirmando que as potências coloniais concentraram as melhores terras das colônias nas mãos de uma minoria, forçando a população pobre a usar outros solos, promovendo a devastação ambiental. Os dois relatórios têm em comum a exigência de mudanças nas estruturas de propriedade do campo e a rejeição pelos governos dos países industrializados.

No ano de 1987, a Comissão Mundial da ONU sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), presidida por Gro Harlem Brundtland e Mansour Khalid, apresentou um documento chamado Our Common Future, mais conhecido por relatório Brundtland. O relatório diz que “Desenvolvimento sustentável é desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades”.

Chá de camomila previne complicações da diabetes, diz estudo

Beber chá de camomila diariamente pode ajudar a prevenir algumas das conseqüências da diabetes tipo-2, tais como cegueira, lesões nos nervos e nos rins, de acordo com pesquisadores no Japão e na Grã-Bretanha. A descoberta pode levar ao desenvolvimento de um novo medicamento derivado de camomila para a doença, cuja incidência vem aumentando em todo o mundo.

No novo estudo, o pesquisador Atsushi Kato, da Universidade de Toyama, ressalta que camomila vem sendo usada há anos como uma cura informal para problemas diversos como estresse, resfriado e cólica menstrual. Recentemente os cientistas propuseram que o chá da erva pode ser benéfico também no combate à diabetes, mas a teoria não tinha sido testada cientificamente até agora.

Os pesquisadores deram extrato de camomila a um grupo de ratos diabéticos durante 21 dias, e compararam o resultado a um grupo de animais de controle em uma dieta normal. O nível de glicose no sangue de animais que ingeriram camomila foi significativamente menor do que o dos ratos no grupo de controle, disseram os cientistas.

Também foi registrada uma redução da concentração das enzimas ALR2 e sorbitol. A concentração elevada dessas substâncias está associada a um aumento das complicações relacionadas à diabetes. A pesquisa foi divulgada na revista Journal of Agricultural and Food Chemistry.


Fonte: Estadão Online

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Campus da Unesc ganha cores com mostra de orquídeas

O campus da Unesc já ganhou ares de primavera, na tarde desta terça-feira, com a abertura do projeto A Primavera e Paz – 10ª Mostra de Orquídeas e Plantas Medicinais, no Espaço Cultural (hall do Bloco Administrativo). O ambiente ficou mais colorido, com a exposição de orquídeas de orquidófilos da região, que podem ser comercializadas no local, onde também há distribuição de mudas de plantas nativas e mostra de plantas medicinais pelo Horto Florestal da Unesc. A iniciativa, promovida pelo Setor de Arte e Cultura, se estende até sexta-feira, com apresentações artístico-culturais às 18h30 e às 19h.


Fonte: Assessoria de Imprensa Unesc (Zeca Virtuoso)

Dissertação na Unesc aborda espécies de anfíbios do entorno da barragem do Rio São Bento

A dissertação “Taxocenose de anfíbios anuros do entorno da Barragem do Rio São Bento (BRSB), Siderópolis” será defendida na quinta-feira (18/9), junto ao PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) da Unesc. O estudo foi realizado pelo mestrando Rodrigo Avila Mendonça, sob orientação do professor doutor Jairo José Zocche. Em sua pesquisa, Mendonça investigou a área do entorno da Barragem do Rio São Bento, caracterizando grupos de anfíbios de um local dentro de uma das cinco regiões enquadradas como biologicamente mais ricas e ameaçadas do planeta. A defesa pública inicia às 14h30, na sala 16 do bloco P.


Fonte: Assessoria de Imprensa Unesc (Zeca Vistuoso)

Urucum na proteção da pele humana

Urucum, Colorau e Urucu e Açafrão tem como nome científico Bixa orellana L. da Família das Bixáceas. Utilizada pelos índios brasileiros para proteger a pele dos raios solares e como repelente de insetos, o urucum tem sua origem na América Tropical. Sementes e folhas. Para obter o pó das sementes, esmague-as num pilão de madeira.

Arvoreta de até 10 metros de altura, dá floresce e dá frutos espinhosos de até três centímetros em janeiro/fevereiro e junho/agosto. Dentro dos frutos se encontram as sementes que podem ser verdes ou vermelhas. Para cultivo, semear em sacos e transplantar após 4 a 6 meses da germinação, à distância de 5 metros. Frutifica após três anos. Gosta de sol pleno, clima úmido, solos férteis e ricos em matéria orgânica; ressente-se de geadas.

O chá das sementes tem ação digestiva e expectorante, com ação laxante. A infusão das folhas também atua contra bronquite, faringite e inflamação dos olhos.O pó é digestivo, laxante, expectorante, febrífugo, cardiotônico, hipotensor e antibiótico, agindo como antiinflamatório para contusões e feridas. As sementes são expectorantes, utilizadas em moléstias do peito. O urucum também é utilizado para afecções do coração. A tintura do urucum é usada como antídoto do ácido prússico (veneno da mandioca).

Índios americanos usavam o urucum como protetor solar, repelente e para fins estéticos (tinta vermelha). Óleo de urucum para beleza e proteção da pele: 50 gramas de sementes de urucum, 250 gramas de óleo de amêndoas ou algodão ou soja. Deixar a mistura em banho-maria por 2 horas.

Descoberta espécie primitiva de formiga na Amazônia

Cientistas alemães descobriram na selva amazônica uma nova espécie de formiga, tão estranha e diferente de suas irmãs, que se pode considerar como "marciana", ou vinda de outro planeta, anunciou nesta segunda-feira (15) um porta-voz do Museu de Ciências Naturais de Karlsruhe.

A raridade da nova formiga, considerada a mais primitiva das existentes, está presente no nome científico que recebeu: Martialis heureka (desenho ilustrativo da nova espécie), que traduzido livremente poderia significar "Hurra, achei uma vinda de Marte!" De cor branca, depredadora, cega e de três milímetros de comprimento, ela é uma formiga fêmea, trabalhadora e estéril, encontrada casualmente pelo entomologista alemão Christian Rabeling.

Cinco anos antes, seu colega Manfred Verhaagh, também entomologista de Karlsruhe, havia encontrado outros exemplares, mas estes foram destruídos acidentalmente antes de sua análise, para desespero dos cientistas." Ter conseguido encontrar um terceiro exemplar é como acertar em uma loteria primitiva", disse Verhaagh ao apresentar a descoberta.

A formiga "marciana" se diferencia de suas congêneres mais modernas que, entre outras coisas, têm pequenas pinças junto aos maxilares com que captura suas presas. Rabeling e Verhaagh destacaram que o novo inseto é tão estranho que, pela primeira vez em 85 anos, foi aberta uma nova subfamília das formigas, batizada como Martialinae, as "que vêm de Marte".

Ambos presumem que as formigas "marcianas" existem há mais de 120 milhões de anos e não descartam que possam encontrar novas espécies da mesma família, desconhecida até agora, nos úmidos solos da Amazônia, ocultas em folhas e madeira em estado de putrefação.


Fonte: Estadão Online

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Novas árvores na captação do carbono

Artigo:


“Plantar uma árvore nova pode ser uma maneira mais ou menos eficaz em seqüestrar o carbono do que conservando uma árvore velha do machado”, diz Emma Marris, pesquisadora. As florestas velhas continuam a acumular o carbono em uma taxa muito maior do que os investigadores tinham pensado previamente, fazendo as mais importantes enquanto os dissipadores do carbono que devem ser faturados no clima global modelam, investigadores dizem. Até recentemente, supôs-se que as florestas muito velhas já não absorveram o carbono."

A informação repassada acima - no
Site Nature - vem confirmar de que o “Projeto Quati” está no caminho certo. Além de ajudar na criação de um novo ecossistema, com animais, insetos, também vai servir como uma forma de ajudar o Meio Ambiente a respirar um ar muito melhor.

O resgate de árvores frutíferas nativas da região será um projeto desenvolvido com o apoio de algumas empresas privadas da Região Carbonífera, o Grupo Escoteiro Djalma Marques Escaravaco, em conjunto com um grupo de jovens profissionais na área ambiental, social e de comunicação.

Ele consiste em trazer de volta a áreas de mata virgem árvores frutíferas que não são mais encontradas in natura. Serão milhares de mudas desenvolvidas pela regional da EPAGRI e monitoradas e cuidadas pelos biólogos do projeto. Será uma ação de dois anos, que tem como missão colocar de volta ao meio ambiente cerca de seis mil novas árvores.

De 2008 a 2010 o Grupo Escoteiro Djalma Escaravaco, o Portal “Palavra de Escoteiro” apoiado por empresas de visão ambiental estará desenvolvendo três (03) projetos que marcarão uma nova era na preservação do Meio Ambiente no município de Içara. Além do Projeto Quati, será realizado outro projeto que será o reencontro da “içaroba” (palmeira hoje praticamente extinta) e, para encerrar, o grande projeto de recuperação dos dois (02) rios que chegam na Barra do Torneiro e na Barra Velha.


Por: Blog Onda Verde

Duas macaquinhas na mão da Justiça

Uma família de São Paulo, que mantém dois chimpanzés em casa (imagem ao lado), não aceita devolvê-los para a mata, como a Justiça ordenou. E recorreu à lei dos homens para ficar com os bichos. As chimpanzés Megh e Debbie vivem com a família Forte há dois anos, num sítio em Ibiúna, na Grande São Paulo. O sítio é um santuário animal licenciado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente, o Ibama.

As duas, que nasceram em cativeiro, foram doadas por um zoológico particular do Ceará, que não existe mais. O Ibama entrou na Justiça porque afirma que a família não conseguiu comprovar a origem legal dos animais. “É a forma que temos de controle para evitar que ocorra captura na natureza e tráfico de animais silvestres. Neste caso, é uma espécie exótica”, explica Antônio Ganme, da fiscalização de fauna do Ibama.

A Justiça Federal decidiu, então, que Megh e Debbie têm de ser soltas no seu ambiente natural. Isto significa enviá-las de volta para a África. O medo da família é de que as duas não resistam se tiverem que voltar ao habitat natural. Por isso eles pediram aos advogados que aplicassem uma lei usada para seres humanos e entraram com um pedido de hábeas corpus no Superior Tribunal de Justiça.

A família afirma que o DNA do macaco é 96% igual ao dos seres humanos. Assim, para a família Forte, o hábeas corpus que vale para os humanos vale para os chimpanzés. “O remédio do hábeas corpus é processual e destinado a proteger o cidadão no gozo das suas garantias constitucionais estabelecidas. Não imagino como um chimpanzé possa ser protegido, possa ser entendido pela legislação brasileira como titular de direitos e obrigações”, afirma Flávio Ahmed, da Comissão de Direito Ambiental da OAB no Rio de Janeiro.

O pedido de hábeas corpus começou a ser julgado esta semana no Superior Tribunal de Justiça. Na última sexta-feira, porém, o Ibama abriu uma possibilidade de entendimento com os donos de Debbie e Megh. “Reintroduzi-los na natureza é absolutamente inviável”, opina Antônio Ganme, do Ibama. “O que importa, na verdade, é o bem estar das meninas”, diz o proprietário das chimpanzés, Rubens Forte.


Fonte: Fantástico-Rede Globo

Ameixa: vermelha, amarela e roxa escura

A ameixa é o fruto comestível da ameixeira. Pertencente à família das rosáceas, a ameixa de cor vermelha, amarela ou roxa escura é carnosa e suculenta. A ameixa possui alto valor nutritivo, é rica em açúcar, sais minerais (cálcio, fósforo e ferro) e algumas vitaminas, como as vitaminas do complexo B, que evitam problemas de pele e reumatismo. É indicada contra a prisão de ventre por seu poder laxativo. Possui mais fibras do que qualquer outra verdura, fruta ou feijões secos.

A ameixa seca repõe nutrientes minerais como ferro, zinco e potássio, esse ajuda a diminuir a pressão sanguínea e melhora a saúde dos ossos. Cada 100 gramas de ameixa fresca contêm 47 calorias. A espécie da fruta seca apresenta valor calórico bem maior, por conter alto teor de açúcar.

Existem muitas variedades segundo o tamanho, cor, sabor e estação do ano em que se desenvolvem. Os diferentes nomes que a ameixa possui variam de acordo com o lugar onde é cultivada. No Brasil, a ameixa é cultivada em Minas Gerais, na Bahia e no Distrito Federal. O período da safra vai de dezembro a fevereiro.

Durante a maturação, a ameixa sofre mudanças de cor, aroma, sabor e textura. Os indicadores de maturação determinam o momento adequado da colheita. Um desses indicadores consiste na firmeza da polpa que diminui, tornando a fruta tenra e macia. Os dois fatores mais importantes referentes à colheita implicam em cuidado durante a mesma e a maturação adequada. Após a colheita, as frutas são selecionadas e classificadas. A ameixa é utilizada no preparo de doces, conserva e geléia.


Fonte:
Brasil Escola

Empresa começa campanha de reciclagem de óleo de cozinha

A rede de Supermercados Bistek inicia por Criciúma uma campanha visando a reciclagem do óleo de cozinha usado, evitando assim que o resíduo seja jogado no meio ambiente, causando, entre outros danos, o aquecimento global.

A campanha inicia nesta segunda-feira (15), onde o Bistek toma a iniciativa inédita de pagar pelo óleo recebido. A cada dois litros de óleo, o Bistek vai entregar um vale-compras de R$ 1,00. O projeto inicia na Loja 10 do Bistek, em frente ao terminal central, a partir da próxima segunda-feira.

O projeto teve início através do treinamento dos próprios colaboradores do Bistek. Os Líderes da Loja 10 receberam toda a orientação sobre o recolhimento e como o cliente poderá participar da campanha. Uma orientação é a que o produto deve ser colocado em garrafas de plástico PET de dois litros e filtrar o óleo. Com o vale-compras poderá adquirir produtos na loja num prazo de sete dias.

Todo o resíduo arrecadado será recolhido pela empresa Ecológica - Coleta de Óleos Vegetais, que realiza a reciclagem do produto em sua unidade em Guaíba, no Rio Grande do Sul. A fábrica foi projetada especialmente para a reciclagem de óleo saturado e está preparada para receber até 300 mil litros de óleo por mês. No processo de reciclagem o óleo recolhido em Criciúma passa por todo um processo totalmente ambientalmente correto, que prevê a limpeza e reciclagem das embalagens entregues pelos clientes.

O produto recebido em Criciúma fica na unidade da Ecológica de Siderópolis até ser transferido para a sede, em Guaíba. No Rio Grande do Sul é processado para que seja reaproveitado como biocombustível em caldeiras industriais. Os resíduos sólidos do processo de reciclagem também são encaminhados para reaproveitamento. A água é tratada e devolvida ao meio ambiente. No Rio Grande do Sul a legislação obriga as empresas a darem um destino correto ao óleo de cozinha usado.


Fonte: Site Rádio Criciúma

domingo, 14 de setembro de 2008

Governo investirá R$ 28 milhões nos parques nacionais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, junto com o ministro de Meio Ambiente (MMA) Carlos Minc, o ministro interino do Turismo (Mtur), Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho, e o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Rômulo Mello, lança neste sábado (13), às 17h, em Petrópolis, no Rio de janeiro, o Programa de Turismo nos Parques - pacote de medidas que irá investir R$ 28 milhões na estruturação de seis parques nacionais, sendo R$ 10 milhões investidos pelo MTur e R$ 18 milhões pelo MMA.

Neste primeiro momento foram selecionados os seguintes parques para a priorização de investimentos e o desenvolvimento de ações conjuntas. São eles: Aparados da Serra (RS/SC), Chapada dos Veadeiros (GO), Serra dos Órgãos (RJ), Serra da Capivara (PI), Jaú (AM) e Lençóis Maranhenses (MA).

Além das seis áreas apresentadas como prioritárias no Programa Turismo nos Parques, outros quatro Parques, onde a atividade turística é significativa, contarão com investimentos consolidados em parceria com a iniciativa privada por meio dos editais para concessão de serviços de apoio ao turismo: Iguaçu (PR), Marinho de Fernando de Noronha (PE), Marinho dos Abrolhos (BA) e Tijuca (RJ).

Na ocasião também serão assinados dois decretos. Um deles amplia a área do
Parque Nacional da Serra dos Órgãos, unidade de conservação federal gerida pelo ICMBio, em 9.450 hectares - um aumento de 88,9% na área da unidade, que hoje possui 10.527 ha. O segundo decreto define os parâmetros para o estabelecimento de estradas-parques.

Além disso, serão criadas, ainda, mais sete novas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs): Bom Sossego, Nossa Senhora Aparecida, Tanguá e Rogério Marinho, as quatro no Rio de Janeiro; Cachoeira Alta, no Espírito Santo, Conjunto Outeiros do Córrego Grande, na Bahia e Emilio Einsfeld Flho, em Santa Catarina.

Por fim, serão assinados uma portaria que cria o Grupo de Trabalho de Fomento aos Investimentos no Turismo com Sustentabilidade Ambiental e uma instrução normativa que estabelece estratégias de manejo da visitação, normas e procedimentos visando a melhoria da prestação de serviços de condução de visitantes dentro das unidades de conservação de proteção integral.


Fonte:
Ministério do Meio Ambiente

Jornal Agora: Colunista denuncia aplicação de recursos ambientais em Içara

Clipagem - Deu no jornal Agora, de Içara, na coluna de Charles Cargnin, uma nota sobre o comentário do radialista João Paulo Messer, do Jornal da Manhã (Criciúma), sobre a aplicação de recursos da Secretaria do Meio Ambiente do município içarense. Na nota consta a informação de que tudo o que é arrecadado pela Secretaria vai para o caixa da Prefeitura e não é aplicado para ações ambientais. Clique aqui e confira a nota na íntegra.

Dias frios e sem chuva em Içara

Até a próxima quarta-feira (17) a temperatura no município de Içara não irá ultrapassar os 12ºC. A possibilidade de chuva nos próximos três dias é de 1%, o céu ficará parcialmente nublado em alguns períodos do dia com um forte predomínio de sol. Conforme a previsão do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos, do Ministério da Ciência e Tecnologia, a temperatura máxima não passará dos 20ºC, na terça-feira. Estes próximos dias serão de clima frio, ventos, e a previsão é que a chuva só chegue no dia 21 (domingo).


Pancadas fortes de chuva por conta de um sistema frontal


Neste domingo (14/09), a frente fria ficará estacionária sobre o oceano na altura do litoral sul do RJ, mantendo as condições para pancadas de chuva que tenderão a ser fortes principalmente no sul e sudeste de MG, sul do ES e no centro-norte e serras do RJ. O tempo continuará nublado e com chuvas isoladas no sul e litoral sul de SP, leste do PR e nordeste de SC. Há condições de ventos fortes e muitas nuvens no litoral sul do RS. Pancadas fortes de chuva ocorrerão no centro e oeste da Região Norte, principalmente entre AM, oeste do PA, RR e norte de RO. A massa de ar seco permanecerá atuando sobre o nordeste de MT, sudeste do PA, TO, sul do MA e do PI, oeste da BA, noroeste de MG e norte GO. As temperaturas máximas estarão baixas entre o leste e sul de SP, o RJ e o sul de MG, além da Região Sul e sul e oeste de MS.

Heitor Valvassori fala sobre parcerias e propostas ambientais

O Grupo de Escoteiros Djalma Marques Escaravaco de Içara abriu um espaço para que os candidatos à Prefeitura Municipal apresentassem propostas e parcerias para realizações de ações ambientais na cidade. Neste sábado, dia 13, foi à vez de o candidato Heitor Valvassori mostrar para os jovens, pais, ambientalistas e grupo de cheia o que poderá realizar na área de Meio Ambiente se acaso for eleito. “É uma forma de engajarmos o poder público com ações ambientais, não apenas como patrocinador, e sim como parceiro de idéias sustentáveis que surtirão efeitos num futuro breve”, completa o presidente do Grupo de Escoteiro, Jorge Félix Rabassa. O próximo encontro está marcado para o dia 27, no mesmo horário e local, só que desta vez com o candidato a prefeito Gentil da Luz, do PMDB. Foram feitas cinco (05) perguntas para o candidato, que serão repetidas para o outro entrevistado. Confira as respostas:


Perguntas:


1) De que forma o senhor, se eleito, irá apoiar concretamente o Grupo de Escoteiro de Djalma Marques Escaravaco?
R: Quero dizer que primeiro lugar que nós que temos a certeza de que todas as propostas feitas pelos escoteiros já é um passo muito grande para os jovens de nossa sociedade. Nós poderemos, dentro das possibilidades – jamais farei qualquer promessa que seja – de ajudar o grupo assim que formos procurados. Sabemos dos trabalhos de vocês, principalmente agora com os projetos ambientais. Se leito vou estar mais presente para o desenvolvimento e o crescimento deste grupo. É muito importante para nós pois é estes jovens convivem harmonicamente com a natureza e a sociedade.


2) Como o senhor vê a ação do Grupo Escoteiro na comunidade içarense?
R: Entre outras coisas vemos que o Grupo tem outros objetivos e metas, como a preservação do meio ambiente, e hoje o mundo passa por dificuldades, e precisa ser mudado.


3) Em sua opinião, o Escotismo e a Secretaria de Educação devem ser parceiros?
R: Devem, e como devem sim. Tem que estar próximo da Secretaria, para maio sintonia, não apenas ajudar nas questões financeiras, mas em outras situações como eventos, e ações para a educação do jovem.


4) Se eleito, quais as ações que o novo governo irá tomar em relação ao desenvolvimento sustentável do Meio Ambiente em Içara?
R: Deve estar em tempo de trabalharmos, de recuperarmos, nada esta ainda perdido. Temos a obrigação de despertar para isso. Hoje Içara temos a condição de criarmos parcerias para um projeto de reciclagem do lixo. Temos que implantar isso nas escolas para darmos uma nova visão nesta questão.


5) O Grupo Escoteiro em parceria com a iniciativa privada estará desenvolvendo três (03) grandes projetos ambientais nos próximos anos. O primeiro será o “Projeto Quati”, que visa à disseminação de árvores frutíferas nativas. Qual o tipo de apoio que o senhor, se eleito, dará para estas ações?

R: Com certeza nós vamos nos empenhar ao máximo nestas ações. O plantio das içarobas, além de outras plantas, para resgatarmos o nome da cidade. Plantar junto com os jovens, e vamos dar todo o apoio logístico. Nossos jovens estão damos o exemplo, e isso é muito importante. Na grande maioria das árvores que foram plantadas hoje, teve a nossa mão. Exemplo: Rua Cristo Rei, vandalismo, plantas quebradas, várias vezes quebraram as mudas das árvores. Fomos à escola e juntos com as crianças plantamos e eles fiscalizaram o crescimento das mesmas.


Na oportunidade o candidato fez o uso da palavra para mostrar algumas de suas propostas assim como três candidatos a vereador, escolhidos antecipadamente pela coligação, falaram sobre as suas ações para o Meio Ambiente, confira o que disseram:



Iara Amandio Martinez – “Sinto-me a vontade no Grupo, como ex-secretaria de Educação, foi onde tive oportunidade de ser parceira do Grupo quando solicitados. A cidade está crescendo, mas tem que crescer com educação e com qualidade. Não podemos dizer que o jovem é o futuro deste país se não darmos oportunidade.” Contou sobre sua preocupação ambiental, que já começa em casa, onde replantou várias plantas, e árvores importantes. “E isso nos fez pensarmos em termos um programa dentro da prefeitura para criarmos na agricultura o incentivo para a não utilização de agrotóxicos, que ajuda na contribuição para a não poluição. O mundo está pedindo ajuda. Vou continuar trabalhando para que Içara seja uma cidade de qualidade.”


Jair de Estefani – O que ouvi hoje aqui já me deixou satisfeito em saber que este grupo está preocupado com a questão do meio ambiente. Nós agricultores temos uma parcela de culpa por tudo o que está acontecendo com o meio ambiente. Mas, chega um momento que temos que acordar para as coisas. É possível melhorarmos o Meio Ambiente quando trabalhamos com as crianças. É através deles que poderemos mudar a questão ambiental. Daqui pra frente terão esta consciência e terão muito cuidado com o meio ambiente. Nós precisamos produzir alimentos, mas hoje na agricultura podemos agora produzir de forma sustentável, só mudar um pouco a prática. Temos que deixar a nossa Terra onde vivemos bem melhor para as nossas futuras gerações.


Quintino Pavei – Educação de qualidade que hoje está sendo desenvolvida na cidade. As novas indústrias para geração de emprego, serão mais de oito mil empregos para os próximos quatro anos. Hoje inverteu as pessoas não estão mais saindo daqui, e sim estão vindo para cá para trabalharem. Sou parceiro do Projeto Quati, temos que plantar muitas novas árvores em nossa cidade, precisamos reflorestar nossas praças com frutas para ajudar o nosso ecossistema. Vamos estimular as parcerias com a agricultura, educação e outras Secretarias. É muito importante esta ação que o Grupo faz para a cidade.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...